Friday, December 30, 2011

Testando

Último post do ano, testando postar do meu iphone. Um saco digitar aqui, mas quebra o galho. Escrever mais em 2012? Espero, não prometo.

See you on the other side!

Thursday, December 29, 2011

2012, seu lindo

Vamos concordar que 2011 foi uma bosta? Apesar de alguns momentos lindos (casamento, lua-de-mel, adocao da Nina e da Penny), o ano como um todo foi bastante cagado. Concordam? Alem de mim eh isso que ouco de todos por ai. Entao eh isso, expectativas todas em cima de 2012, e ele que se vire para nos satisfazer.

E nao me venham com aquelas de "voce-que-faz-seu-ano" porque nao eh bem assim, nao eh sempre assim. Acreditem.

Vou ali entao, passar o ano novo jogando cartas como uma senhora, no sitio da Fru, pertinho de Sao Paulo, rodeada de animais, como deve ser.

E curtir o resto dessa semana de ferias que passou way too fast... Mas ainda vai dar tempo de fazer planos para 2012. Vai sim; preciso de planos, bem mais que promessas.

Saturday, December 03, 2011

eu escrevi ontem

Mas sumiram com meu post, nao posso fazer nada.

E o final do ano hein?! E a Copa, hein?!

Wednesday, October 12, 2011

Algumas verdades

Tudo o que fazemos, fazemos contra

Inércia é ficar parado e definhar


O que achamos dos outros costuma ser

O que na verdade somos


Quem não gosta de você hoje

Continuará não gostando amanhã


Quem gosta de você hoje

Não necessariamente gostará amanhã


A grande tragédia hoje

Em seis meses estará esquecida


Assim como a grande alegria

Mas as marcas desta são mais rasas


Dor é muito mais intenso que alegria

Tristeza, muito mais duradoura que felicidade


Derrota é liberdade

Falhar é primo de ser feliz

Saturday, October 08, 2011

nowadays

Tres gatas pulguentas. Help.

***

Em busca de um novo hobby. Sugestoes?

***

Sentindo que eu poderia ser uma pessoa muito, mas muito melhor. Podia na verdade enxergar menos e assim ter menos o que julgar. E que mudar eh diferente de melhorar.

***

Escrevendo sem acentos de novo. Querendo cobrar um MacBook e vender minhas velharias eletronicas. Tendo dificuldades de digitar hoje.

***

Para nao passar o mes das criancas em branco: Engravidar eh ridiculamente dificil, e quem disser o contrario leva voadora no peito. Me da uma integral para resolver mas nao me peca pra engravidar.

***

Saio ou nao saio de novo do Brasil? A verdade eh que odeio o pais, mas temos as familias. Que fazer?

***
Alguem alem de mim torce pela chegada do fim de semana e quando ele chega voce se pergunta "e dai?"? Isso eh depressao?

***

Tentando descobrir um app para escrever posts no blog, em tempos de mais internet no celular que no computador. Alguem recomenda algum? tentei uns que nao deram certo.

Monday, September 05, 2011

ainda nao

Ainda nao foi o fim. Sempre soube que uma hora a coceira voltaria, por mais intenso que fosse o mundo corporativo. Nunca deixaria morrer aquilo que nao me deixou morrer.

Apenas deixei adormecido. E pode ser que fique adormecido por mais um tempo. Foda, quando escrever ja nao eh mais a prioridade, embora dia sim dia nao fique aquele gosto ruim na boca de deicar pra tras o que realmente importa.

Seria bom se fosse tudo assim, em que o ponto final nunca eh mesmo final. Evitaria qualquer tipo de saudade por antecipacao. Ficaria apenas a saudade verdadeira e leve, e nao a desesperada.

Um dia eu aprendo a acreditar no que escrevo e terapia nao serah mais necessario.

Monday, March 14, 2011

enough of me

This precise time and right here
Are not going anywhere
I've had enough of new todays
For once I'd like to go another way

I speak my last words and then
Remember it may never end
All that I've won I have lost
Each passing moment cuts me off

Well, I don't like to waste a chance but they're overflowing
What I don't do will get done by somebody
When I was five I saw some plants ungrowing
Whether seen forwards or back they'd keep going
They'd keep going

If the seasons which change were all still
It's so easy to see life would fail
Whatever slips out of our hands
Will find its way back to us once again


If the seasons which change were all still
It's so easy to see life would fail
Whatever slips out of our hands
Will find its way back to us once again
Will find its way back to us once again
Will find its way back to us once again
Once again.


John Frusciante apunhalando.

Thursday, January 27, 2011

as melhores noites

Chegar em casa após um dia cheio de trabalho. Largar a bolsa para abraçar minha buñuela o mais rápido possível senão eu morro. Estender a rede na varanda e pentear minha buñuela, também conhecida como Maya. No fog arroxeado do twilight, um ou outro raio no céu. Ligar o iPod no som e começar a cozinhar. Esperar o marido chegar suado de esporte. Receber mil beijinhos de amor e gratidão. Servir e me servir. E depois não ligar a TV, nem acender as luzes, nem fechar as janelas. Deixar que a brisa da noite limpe minhas dobras sujas, meus meandros de isopor - ou algo ainda mais leve e espaçoso -, meus recalques de bosta seca - ou algo ainda mais abrasivo e desprezível.

Terminar de cozinhar e beber um golinho de Madeira, e fazer careta pois não gosto do gosto, mas gosto da lembrança que o Madeira me traz. E lembrar que esse ano, disseram por aí, será meu grande ano. E lembrar que estou colhendo, além de semear. E lembrar que preciso jogar os ombros mais para traz e endireitar a pisada, para ficar ainda mais feliz. E que preciso emagrecer, mas sem neuras, e que preciso juntar dinheiro, mas sem neuras, e que preciso aprender a dormir menos, ou a sentir menos sono. E que preciso ver menos TV e ouvir mais música e ler mais livros, mas sem neuras. E talvez eu fosse um pouco mais feliz se tentasse entender mais as pessoas e suas limitações, além de conseguir não enxergar defeitos que a todo custo estão tentando ser escondidos.

Até a saudade que sinto de Londres me faz feliz. Lembro da saudade que tinha do Brasil, principalmente da minha família. E como é bom saber que eles estão a poucos quilômetros. E como é bom ter Londres para lembrar.

Já faz quase 1 mês que o ano começou, mas para mim, realmente, só está começando agora.

Faz 2 meses que meu gatinho mais amado morreu. A verdade é que ainda penso nele todo dia, mas nem todos me levam às lágrimas, só os dias mais sensíveis, como hoje.

Faz pouco tempo que fiz aniversário e pela primeira vez em muito tempo, as pessoas fodas que realmente importam me ligaram. Todas elas. Aquelas que eu escolheria para salvar de uma catástrofe. Foi bom. Tenho poucos amigos. Bem poucos. Mas, damn, eles são os melhores e para eles tento ser sempre a melhor (que posso, anyway).

Faz calor demais, mas a brisa deixa tudo meio sexy, meio perdido, meio calmo e meio doce.
Para ficar perfeito, só faltou chover.