Saturday, February 28, 2009

Camboja e nos derretendo

25/2

Entao ontem a noite nos despedimos de Henrique e Carol. Eles seguiriam pelo Vietnam e nos iriamos direto pro Camboja. Foi bom ter viajado com eles um tempo. Tirou um pouco a gente da ostra.

O aeroporto de Luang Prabang parece um galpao, assim como todos os outros aeroportos do Laos. Foi uma surpresa chegar em Siam Reap, no Camboja, e ver que la tudo era completamente diferente. Parecia aeroporto de primeiro mundo. Visto foi processado super rapido e logo estavamos desembaracados com malas em punho. Vale o desafio para os companheiros viajantes: quem conseguir arrancar um sorriso da tripulacao da Vietnam Airlines ganha um beijo. Se eles sao amostra do que encontrariamos no Vietnam, estou feliz com nossa decisao de ir direto pro Camboja.

Pegamos uma moto-taxi (sim, cada um vai em uma moto com um motorista) ateh o guest house que escolhemos, Shadow of Angkor. La estava cheio mas eles estavam abrindo o Shadow of Ankor II, atravessando o rio. Fomos ateh la e ficamos surpresos com o nivel do quarto. Algo de hotel 3 ou 4 estrelas, com certeza o melhor quarto da viagem ateh agora. Ateh box pro chuveiro tem, um luxo! O senao eh que o lugar ainda ta meio em obras, entao nao tem restaurante, a piscina estah vazia e, perceberiamos depois, ha muita martelada desde 7 da manha.

Enfim, achamos que por 15 dolares a noite estavamos fazendo um otimo negocio, e realmente estavamos. Quando ficar pronto, o quarto em que estamos, com varanda, ar condicionado central, frigobar etc, vai custar 40 dolares por noite.

Deixamos tudo no quarto e fomos almocar no Khmer Kitchen, um restaurante despretencioso que ja recebeu o Mick Jagger e nem por isso inflacionou os pratos, more than fair enough. Fiz a besteira de pedir um Khmer curry. Nao pelo gosto, estava mravilhoso, mas com o calor do Camboja nao cai muito bem. Eu, que ja bufava, fiquei ainda mais bufenta, mesmo com o ventilador de teto direto na minha cabeca.

O calor do Camboja eh algo inexplicavel. Alem do sol constante, eh umido que doi. Voce anda cinco minutos e ja estah molhado de suor. Eu, pelo menos, que suo muito. Eh um saco. Nao tem roupa que fique seca, nem cabelo que fique limpo.

Voltamos do almoco pro quarto e fomos tomar uma chuveirada. Cansados da viagem e sem coragem de enfrentar o calor, ficamos no bem bom do ar condicionado do quarto por varias horas, assistindo filmes e lendo. Soh saimos para jantar, na esperanca de que a noite fosse fresca. Engano. A noite eh muito abafada, nada como no Laos. Impressionante, porque Siam Reap fica no norte do Camboja, nao longe da fronteira com o Laos. Enfim, pelo menos tem muito lugar com ventilacaao potente e ar condicionado por aqui. Senao eu estaria frita. Realmente enlouqueceria, desconfio.

Jantamos no Butterfly Garden, um restaurante que alega ter cerca de mil borboletas voando sobre seus jardins. O lugar eh uma graca. Tem um aspecto de jardim bem fechado, quase uma florestinha, com brejos e varios sapos. Alias, vi mais sapos do que borboletas, mas enfim, eles nao iriam propagandear o lugar como jardim dos sapos, nao eh mesmo, pessoal?

Comemos muito bem em uns sofazoes com almofadas. Aqui come-se bem, mas paga-se o preco tambem. Nada demais, coisa de 3 a 5 dolares o prato, mas sabemos que para os locais o que eles cobram eh uma fortuna.

26/2

Ainda nao seria hoje que iriamos a Angkor Wat. Temos tempo em Siam Reap e nao queremos fazer nada desnecessariamente correndo. Tiramos o dia para dar uma passeada na regiao central. Fomos ateh um templo budista proximo ao hotel e muito bonito. Depois fomos ateh os jardins reais. Lindo, mas ja estava quente demais e eu ja molhava, emburradamente, minha camiseta.

Fomos entao atras de ar condicionado para almocar. Encontramos refugio no Blue Pumpkin, um lugar bem legal e moderninho, claramente para o gosto dos farang (turistas). Nao reclamei. O lugar eh todo branco e bem descontraido. A comida eh gostosa e ha acesso wi-fi gratuito.

De la, fomos very naughty indeed e passamos no Swensen's. Aqui tambem tem e, tal como em Bangkok, do lado da nossa guesthouse. Dividimos um sorvetao e fomos hibernar um pouco no quarto.

Logo mais um tuk-tuk passou para nos pegar. Fomos ateh o ticket booth de Angkor Wat para comprar ingressos para amanha. Depois, o tuk-tuk nos levou para uma colina dentro de Angkor Wat em que poderiamos ver o por-do-sol. A subida foi meio dolorosa por causa do calor. Alem disso, tinha muita gente, mais precisamente muitos japoneses. Ale inclusive levantou um ponto importante: ha mais maquinas fotograficas do que pessoas naquele lugar. Incomoda um pouco porque a cada passo que voce da voce meio que entra sem querer na foto/pose alheia. Fica dificil andar sem atrapalhar as fotos e chega um ponto em que voce realmente liga o foda-se e anda como se fosse dono do lugar, tao irritante eh.

Mas irritacoes aa parte, o lugar eh lindo, no meio da floresta. Assistimos ao por do sol la de cima de um dos monumentos de respeitaveis mil anos de idade.

Na volta, pedimos pro motorista nos deixar no night market. Passeamos bastante, compramos um pouco (cada um uma camiseta) e jantamos por la mesmo. Na volta, passamos pela “Pub Street”, a rua de baladas da turistada. Um negocio impressionante. Luzes coloridas vindas de todos os lados, restaurantes, bares, casas de massagem, lojas. Muita gente na rua e cambojanos oferecendo maconha a metros de um policial. Uma loucura. A meca de quem viaja pela Asia em busca de vida noturna e um pouco de amor.

Voltamos para o hotel e dormiremos cedo. Amanha o dia sera longo e comecara aas 6 da manha.

27/2

Nao foi facil acordar, mas nos arrastamos ateh um lugar para tomar cafeh da manha. Nosso tuk-tuk driver nos pegaria ali mesmo aas 7am. Fomos de la para Angkor Wat direto. Nao eram nem 8am quando entramos la e eu ja estava suando. Rodamos Angkor Wat e ficamos ligeiramente decepcionados. Achamos que seria bem maior e impressionante, e duvidamos de nossa capacidade de apreciar historia antiga. Simplesmente nao conseguimos ser tocados profundamente pelo que viamos (um problema que tenho com artes plasticas em geral).

Terminamos Angkor Wat em 1,5h e seguimos para Angkor Thom. Entramos em Angkor Thom pelo portao do sul e fomos direto ao Bayon, onde ficam as esculturas de torsos de budas gigantes em pedras. Tudo muito conservado e impressionante, mas eu ja derretia dentro de minha blusa. Paramos para uma reidratada com agua de coco e seguimos para ver o terraco dos elefantes, ainda dentro de Angkor Thom.

De la encontramos nosso tuk-tuk driver para nos levar a mais uma ruina, Ta Phrom. Foi la que Angelina Jolie filmou Tomb Raider, para quem interessar possa. Foi o lugar mais impressionante dos tres. Isso porque a selva mais ou menos tomou conta dos templos e ha arvores que parecem ter nascido das proprias pedras das ruinas. O resultado eh fantastico e valeu a pena me derreter como eu ja me derretia. Eram 11am e eu estava exausta de tanto passar calor. Minha pressao tambem caia paulatinamente, dado que eu nao parava de suar. Ao ponto de meu cabelo ficar enxarcado, e minha camiseta ficar uniformemente mais escura devido ao suor molhando-a por completo. Nao estou exagerando, eh como passear numa sauna. Um guia me mostrou um termometro de bolso que ele tinha e, na sombra, marcava 35 graus. Soh para se ter uma ideia.

Ta Phrom foi nosso ultimo templo. O calor soh pioraria dali para frente e, por mais que houvesse ainda um mundo de templos e ruinas para ver, cheguei no ponto em que em vez de esculturas eu soh via pedras. E nao duvido que se tivesse insistido em ver mais do lugar, nao demoraria para que eu nao visse absolutamente nada – eu nao estava la muito longe de desmaiar.

Fomos prudentes e pegamos o tuk-tuk de volta. Chegamos no hotel, tomamos um banho merecido e saimos para almocar. Fiz questao de ar condicionado e entao acabamos repetindo o Blue Pumpkin.

De la fomos fazer uma merecida massagem tradicional Khmer e saimos nas nuvens. Acho que a melhor massagem que fizemos ateh agora, depois da tailandesa. Eu saia de la quase zen quando a minha massagista foi abrir a porta de cortininha para eu sair e o bastao de madeira macica que segurava a cortina caiu com tudo bem na minha cabeca. Por muito pouco nao pegou meus oculos escuros. Eu teria ficado bem chateada se quebrassem meus oculos. Eles nao foram exatamente baratos. Achei que devido aa pancada eles fossem dar um descontinho na massagem, mas nao. Soh um “sorry” e assunto encerrado.

Dali para frente comecou uma dor de cabeca que se estenderia e acentuaria pelo resto do dia.

Voltamos para o hotel e resolvemos nadar, ja que mais cedo nos informaram de que a piscina estava cheia e pronta para ser usada pelos hospedes. Mas chegamos la embaixo e a agua estava marrom esverdeada, quase preta. Algo muito errado estava acontecendo e eles, naturalmente, pediram para que ninguem entrasse na agua. Sinceramente, pelo nivel do negocio, nao acho que poderemos nadar na piscina. Vamos embora dia 1o. de marco e duvido que ateh la eles tenham entendido o que houve e como consertar.

Ale ficou por la mesmo, lendo nas cadeiras. Eu preferi voltar pro quarto e deitar. Minha cabeca doia mais e eu estava com sono.

Soh acordei pra la de 8 da noite. Meio sem fome, mas fomos jantar no Butterfly Garden. Tomei um Nurofen e a dor de cabeca amenizou. Eu ainda estava cansada e, apesar de ter dormido bastante horas antes, consegui pegar no sono bem rapido.

8 comments:

Anonymous said...

Bandinha,
o que me deu mais fofura foram as bufadas de calor. Vc devia estar com uns cachinhos enroladinhos, grudados na nuca de calor e um bicão gigante.
ai que saudade
te amo! piu

Anonymous said...

Bia,
35 graus é muito quente mas aqui tem feito 31!
Agora só falta um mês!

Beijos nas bochechas,

Papai

LuSinger said...

Hahahha! Você escreve de um jeito muito engraçado, Bibinha. Fiquei imaginando vc. bufando feito doida... Imagine... se no calor paulistano vc. já bufa posso imaginar aí no Camboja!
Estou sozinha em casa. O Neal foi visitar a mãe dele que não está bem. Conforme a situação devo ir para lá na semana que vem. Besitos da mamita que está cada dia com mais sodades de vc!

Isabella Rogatschenko said...

Bia, lendo seus relatos espirituosos,me senti dentro de uma filme de comédia, imaginando as cenas ! Lê, saudadonas maternas doííídas. Hoje fez 35 graus aqui tbem. Beijos, Mãe Vera. PS - a Bel tá tomando sorvete ....

Bia Singer said...

Valeu pelos comentarios, queridos. Neste exato momento suo bastante, mas logo mais vamos para o aeroporto e ainda hoje chegaremos da paradisiaca Koh Samui. Mami, espero que esteja tudo bem com a mae do Neal. Mande noticias sempre que houver, ta? Papito e hermana, muitas saudades! Sogrinha querida, que bom que estah gostando da leitura. Recado dado pro Ale! Beijos mil a todos

Fê Y. said...

Bia, tá incrível o seu relato! Muito bacana a sua viagem!
E se serve de consolo, sexta fez 38,5 graus aqui no Rio! Acho que algo semelhante ao Camboja, ou talvez Senegal...
Saudades muitas do Broa, da represa, dos carnavais divertidíssimos que passamos juntas!
Beijo grande!

Isabella Rogatschenko said...

Campinas...e nos derretendo tbm!!!!
Bjs...tia bel

Anonymous said...

As fotos deram água na boca! Lindas!!!

Bjs,
papai