Friday, December 24, 2004

an approach to happiness

Hoje eh dia de natal em casa com alguns amiguinhos, ainda nao sabemos direito quais. A baderna, na verdade, ja comecou, ao notarmos que convidamos uma galera e nao temos prato, talheres, compos, nada. Amanha vamos todos (eu, Bobby, Fru,.Nickao) pra casa do tio John e dia 26/12 eh o chamado “boxing day”, em que os precos despencam na cidade toda. Dia 26 tb eh dia de arrumar mala pra Paris! Dia 27/12 Grah e Lili chegam do Brasil e no mesmo dia partimos no Eurostar rumo aa Cidade da Luz.

No momento estou no trabalho sem fazer nada pq eh dia 24/12 e as camaras todas obviamente estao fechadas, mas ingles eh metodico pra porra e querem que eu fique. Por mim ta sussa. Estou ganhando para escrever e-mails e conversar com meus coleguinhas. O escritorio estah vazio e eu ganhei uma varinha de condao da Tatyana, a ucraniana que senta ao meu lado. Ela veio com uma fantasia de anjinho e tem um monte de gente de papai noel pelo escritorio. Aqui Natal eh coisa seria. Alguem, por exemplo, deixou uma caixa de tortinhas com uma mensagem: “Please, take one! It’s Xmas!” E eh claro que eu took one.

E em algumas horas estarei de ferias e nem acredito. Minha vida ta muito boa. Muito mesmo. Afora minha tireoide gritando e meu joelho apodrecendo. Tudo sumariamente ignorado ateh minha volta das ferias.

Sobre minha tireoide, acho que vou ter que ver isso quando voltar de Paris… O pior de tudo eh que agora o meu joelho ta fodidamente fodido. Nao sei o que rola. Mas nao to mais vindo aa peh pro trabalho por causa disso!=( Se nao melhorar ateh eu voltar pra Londres, tb vou ter que ver isso. Um saco…

O fofo velho tem ocupado mais espaco na minha cabeca. O fofo novo tem me irritado por sua porteza (capacidade de ser porta), e o lance de ter namorada impressionantemente me brochou. Eu, que sempre me derreto pelos comprometidos. Mas o fofo velho eh fofo demais. Ontem me chega um cartao de natal pelo correio. Todo desajeitado e lindo. Me parece que ALGUEM vai aprender portugues…

Feliz natal para quem eh de natal! Feliz ano novo se eu nao conseguir postar ateh a volta! Espero que os desejos de todos se realizem. Como os meus se realizaram, e estao se realizando, e irao se realizar. Porque eu quero.

Tuesday, December 21, 2004

mea maxima culpa

Ta. Dessa vez confesso que exagerei na demora. Nao era para ser assim. Era para eu sempre poder escrever nem que fosse meia duzia de palavras mal-acabadas. O problema eh que nao consigo escrever meia duzia, ainda mais mal-acabada. Comecei a escrever no meu notebook, parei no meio, em breve quero retomar. Mas nao sei se eh publicavel, ainda preciso avaliar.

E nesse pequeno tempo de ausencia tanta, mas taaaanta coisa aconteceu que tenho certeza de que vou deixar para tras detalhes importantes. Esse eh o problema de nao atualizar o blog. Ou voce fica com a consciencia pesada por passar voando sobre assuntos importantes, ou voce fica horas escrevendo um post atualizado e completo que ninguem vai ler porque nao ha saco.

Vou tentar dar um apanhado geral. Finalmente mudei de setor. Agora estou no "big room" e o trabalho no marketing eh bem mais dinamico. Nao vou dizer que encontrei a paixao da minha vida nessa nova funcao, mas eh way better que meu antigo posto. Tenho mais responsabilidade e um ambiente de trabalho mais caloroso, o que ajuda bastante.

Fui aa Christmas Party da empresa e nao me lembro de ter me divertido tanto em Londres. No final, fui dormir na casa de um colega. Eu e mais dois colegas. E o saldo foi: dormi com um mas queria o outro. E o outro, diga-se, eh o dono da casa em que dormi com o um. E o um eh uma graca, um fofo, um querido, eh o gatinho que trabalhava do meu lado. Mas nao. E o novo gatinho trabalha onde? Onde? No marketing. Comigo. Ah, sim, e tem namorada.

E o antigo gatinho passou o fim de semana comigo e eu continuo gostando da presenca dele e tal, e as meninas tambem gostaram dele e a parede tambem gostou dele e as formigas e o sol e a arvore. Foda-se. Eu tambem gostei dele. Gostei. E ainda gosto para uma ou outra, vezenquando.

Fim de semana passado foi mais light. Bobby fogueteira nao parou em casa. Soh deu eu e Frubinha no cinema. Sabado para ver Diario de Bridget Jones 2 (que para espanto geral da blogsofera eu a-do-rei) - alias, se voces prestarem atencao no cenario, a Bridget mora perto da minha casa! Domingo foi a vez de Mala Educacion. Almodovar, neam? Nao preciso comentar. Voces sabem de tudo, tudo.

Depois rodamos atras de DVDs e fiquei estressada numa loja do Soho em que um cara me vendeu um DVD sem o CD dentro e nao queria me devolver o dinheiro. Enfim. Devolveu. Mas fiquei estressada.

Ja nesse fim de semana, aniversario de Frubinha, fizemos as vontades da princesa! Sexta ela me encontrou no Goose do lado do trabalho, onde estava rolando happy hour e despedida do Chris, o gatinho, recem-demitido da empresa.

De la, o Chris foi conosco para casa, onde sinto ser desnecessario entrar em meandros. Acordamos devidamente tarde e resolvemos patinar no gelo. O Chris veio junto. Chegamos na Somerset House e tava lindo, lindo, mas cheio, cheio. Eeeeu desencanei, e voces? Eles todos desencanaram. Ficamos por ali um pouco, vendo a rapaziada se arrebentar no gelo, e fomos para um pub, onde descobri que o problema de coceguinha do Chris pode ser um agravante para eventuais reincidencias. Ele eh pior que minha Piu. Da uns pulos, sofre mesmo, coitado. E ja tinha notado isso em situacoes de timbre mais intimo.

Saimos do pub com uma festa para ir em Hackney. Obviamente eu ja nao tinha mais necessidade de sair novamente. Bodeei. As meninas foram e voltaram cinco minutos depois. Bodearam no meio do caminho, chegando no metro.

Sabado tomando cha e falando merda. Poderia ser melhor? Domingo fui nadar, depois passeamos no outro lado do Tamisa (oposto ao lado em que moro) e sentamos para um cafezinho cl-cl*. Na volta paramos no mercado e comemoramos o niver da Fru em grande estilo: estrogonofe de camarao feito por Bobbynha. Saimos de casa atrasaderrimas para a comemoracao do niver da Fru no Oneill's, no Soho. A banda do Kiko, amigo da Bobby, estava tocando. Foi bem legal. Mas fiquei pouco porque dia seguinte seria recomeco do batente e eh foda. Foi foda de qualquer jeito, mas ca estou. Contando os dias para minha ida a Paris. Faltam cinco.

*cl-cl = manifestacao de necessidade e/ou vontade de demonstrar simplicidade com coisas caras.

Thursday, December 09, 2004

uma casa muuuito engracada

Aih, mano, a casa caiu. Na verdade estah caindo. Aos poucos. Acho que o dono da casa conseguiu economizar bastaaaante dinheiro quando resolveu reforma-la. Aos poucos tudo estah quebrando.

Primeiro foi o exaustor. Do dia para a noite ele resolveu simplesmente nao ligar mais. E como a cozinha eh americana voces imaginam que nao eh exatamente agradavel o cheiro de comida empesteando a casa toda.

Depois caiu a porta de um dos armarios da cozinha. Por sinal na minha mao. Fui abrir e, poft, caiu. Ha quem me chame de Monica, mas a culpa nao foi minha. A porta ja estava podre e eu so fui a infeliz vetora do incidente.

E tem os copos que quebram quando os estamos lavando, talheres que desmontam, abridor de garrafa que quebra bem no nosso housewarming, e a porcaria do abridor de latas que eh cheio dos nheco-nhecos e, abrir a lata que eh bom, claro que nao.

Nossa maquina de lavar roupa eh brasileira. Ela samba. Samba e vai andando para frente. Juro. Ateh que uma hora nao da para fechar a portinha (porque ela fica dentro de um armario) e eh aquela palhacada para conseguir empurrar a Globeleza de volta. Mas adotei a tecnica que minha irma adota para empurrar a escrivaninha dela. Bunda no chao e coice na sambista. Funciona. Mas irrita.

Maquina de lavar prato? Ahn? O que seria? Desencanamos dela faz teeempo. Talvez porque uncle John nos disse que gastariamos uns £70 com o conserto. Talvez porque o homem para quem ligamos nao retornou mais. Talvez porque a maquina gasta muita agua e energia. Talvez pela somatoria de tudo.

Uma de nossas DUAS janelas emperrou. Depois conseguimos dar um jeito, jeitinho, neam? Mas neguinho tem que pensar bastante se ha necessidade de mexer nela.

As lampadas, uma a uma, estao queimando. Numa velocidade comemoravel para a industria. Sao daquelas luzes caras. Acho que menos da metade esta acendendo no momento. Pelo menos economizamos energia. Eh triste.

Tem tambem o aquecedor que fica perto do nosso (meu e da Bobby) quarto. Voce tem que mima-lo, apertar varias vezes um botao, tentar de jeitos diferentes, ateh ele resolver ligar.

A TV ta la soh para DVD mesmo, porque o cabo da antena coletiva estah meio podre e nenhum dos 04 canais pega direito.

Ah! Tem tambem a geladeira e o freezer, que apita quando ficamos mais de x segundos com a porta aberta. Eh um metodo de economizar, claro, ja que quando esquecemos a portinhola aberta soa um alarme (tipo um passarinho histerico). O problema eh que a "tolerancia" eh bem baixa. Muitas vezes a gavetinha do freezer emperra e nao da tempo de desemperrar antes dos apitos.

E tem o sofa tambem, do qual tem saido um cano preto pela (des)costura honestamente indecifravel para minha cabeca loira.

Por fim, o chao do banheiro eh bem dodgy. Varios barulhos estranhos apontam que dentro de poucas semanas todos cairemos num poco sem fim. Alice no pais das porcarias.

Eh engracado. Sei que vou lembrar de outros detalhes do genero depois. Eu realmente acredito que a casa estah aos poucos se desfazendo. Um metodo sutil e ingles de nos expulsar de seus ares. Mas, quer saber? Precisa de muito mais. Adoro essas idiossincrasias inanimadas. A casa nao sabe eh que nos somos brasileiras. Nos apegamos facilmente e, apesar de nao consertarmos nada, remendamos tudo. Ateh quando cair de vez.

Wednesday, December 08, 2004

meio ano

Essa noite sonhei com minha irma. Ela vinha para ca de surpresa e eu nao desagarrava dela. Percebam que nao foi tanto um sonho quanto uma profecia. Vai ser exatamente assim. La vinha e eu e ela dividiamos a mesma cama de solteiro, e a Bobby estava no quarto tambem e apesar do aperto eu estava incontornavelmente feliz. Vai ser assim quando ela chegar. Soh mais um pouquinho. Seis ou sete meses.

E ja estou na marca dos seis meses. Seis meses que vos deixei (aos que estao longe, claro). Engracado que me bateu uma nostalgia diferente. Nostalgia do meu primeiro mes aqui, que foi doloroso pela saudade, mas encantador por todos os outros fatores que voces devem ter acompanhado no comeco deste blog. Inclusive, comecei a por umas fotos antigas, dos primeiros meses, no meu fotoblog.

Mas que venham os proximos seis.

Albergue reservado em Paris. Falta apenas comprar as passagens de trem, o que farei neste fim de semana. Passarei o reveillon na em grande estilo com as queridas Lili e Grah, do dia 27/12 ao dia 3/1. Depois volto aa labuta, se deus quiser.

Dias frios e calmos por aqui. Hoje minha chefe anuncou a “demisao em massa” de todos os meus coleguinhas que nao tiveram a mesma sorte que eu. Fiquei triste por um ou dois. O resto era vagabundo mesmo. Verdade. To pra ver povo mais enrolador que os britanicos. Conhecem todos os sites de inutilidades do mundo, buscam deus e o mundo no Google (um veio perguntar o que eh “Observatory da Impress”, ou seja, o filhadaputa ficou me googleando), qualquer pretexto engatam numa conversa profunda acerca de assuntos realmente vazios. O resultado esta ai. Nao sei se sou energica demais, mas no lugar de minha chefe, muita gente ja teria perigado nessa empresa.

**

Cortar o cabelo virou questao elementar de sobrevivencia. Seis meses de madeixas intactas me deixou com uma mistura de cabelos ridicula. Vou tentar apenas cortar. Se ficar muito PAM, faco relaxamento. Mas estou querendo deixa-lo crescer au naturel. Vai que meu cabelo mudou e eu nem percebi?

Ah! Comprei uma QUE SAI NA AGUA tinta preta. A ordem invertida da frase foi proposital, para babae e babai nao morrerem do coracao. Eh uma bisnaguinha para pintar o cabelo e que sai na primeira lavada. Quero soh ver como fico de cabelo bem escuro. Se ficar legal, estou pensando em pintar. Nao de preto, mas de castanho escuro. Pode ficar interessante.

**

Ontem fui nadar. Ao sair de casa, falei para a Fru: “vou dar uma soltadinha, coisa pouca, volto em uma hora”. Acontece que cheguei na piscina e tinha um mano se achando. Todo musculoso, altao, dando virada olimpica. E uma vez competidora, sempre competidora. Nao aguentei. Tive que humilhar a crianca. Ah, lado negro que nao me deixa. Por que humilhar o guri na frente dos amigos? Nao adianta, nao me contenho. E ontem na piscina tambem achei um brinco liiindo no vestiario. Logicamente me pus a procurar desesperadamente pelo outro par. Revistei todas as cabininhas e nada. EU ja via a pedrinha azul brilhando na minha orelha. Mas nao achei. Cheguei na recepcao e, com a cara mais santa do mundo, entreguei o brinco: “someone might come looking for it…” A recepcionista agradeceu e me admirou. E eu fiz cara de admiravel. Sou uma vaca brasileira, mesmo.

**

Coracao vazio eh uma merda. Alguem num raio de 50km para ocupar a vaga?

Saturday, December 04, 2004

ou pra que eh que serve uma cancao como essa?

Nao ha antidepressivo que resista a Adriana Calcanhotto. Mas, serio, eh uma coisa assim simples e poetica. Nao eh aquela depre devastadora. Eh a do tipo inspirador. Estou aqui ouvindo que nada mais importa, nem mesmo os poetas, depois de ter voce. E de repente perdi a urgencia de fazer tudo na hora certa e como manda a boa conduta. Entao eh isso. Aquela depre leve e ideal para nao levar a serio nada que seja tao pequeno que caiba num dia. Uma depre saudavel e necessaria.

Estou aqui de maio esperando a hora em que finalmente vou me convencer de que nao vai dar tempo de nadar antes de ir para East Dulwich, onde vou ver uma casa para a Graca e a Lili morarem. Depois disso devo encontrar a Eri e rolarah um cafezinho necessario, provavelmente em Portobello. Depois eu nao sei, mas tem muitas coisas que quero fazer. Quero lavar minha calca social e COLA-LA (sim, isso, nao sei costurar, todas elas estouraram na b****a, aquela maravilha, e comprei um negocio perfeito, que eh tipo uma cola para roupas descosturadas, e preciso faze-lo urgentemente porque o traje da festa de natal da companhia eh esporte fino. "Smart" como eles chamam). Amanha talvez role um almoco brasileiro com um pessoal. Don't know yet. feijoada nao eh muito minha praia.

E escrevi um pouco ontem. Nao tanto quanto queria, nem do jeito que queria. Desenferrujar-me-ei. Aguardem.

Friday, December 03, 2004

fast as you can

Continuo um tanto quanto fodida, sem tempo, mal paga (ta, nem tanto). Mas preciso contar para voces que ganhei, sim, ganhei, £150 (mais de $700) porque meu Yearbook na empresa foi considerado o segundo melhor. Isso porque a terceira colocada foi a filha da minha chefe. Ceeerto. 150 pilas que vao para a caixinha. Provavelmente pagam minha viagem de fim de ano que finalmente se definiu: Paris. Vou encontrar com a Grah e a Lili na cidade da luz (porque chavao eh bom e eu gosto). Vou. Quer dizer, primeiro o albergue tem que me responder o e-mail. Tem que ver se ainda ha lugar. Se nao tiver? Nao sei. Talvez acabe indo para a Madeira sozinha. Talvez va para algum outro lugar que me de na telha. Uma coisa eh certa: aqui eu nao fico. Porque trabalhei muito pesado nos ultimos meses para nao me dar o deleite de viajar.

Ultimamente ando nostalgica. Reli uns textos que escrevi e nem lembrava. Reli e-mails que recebia logo que cheguei aqui e eles eram lindos. Nao que agora nao estejam mais. Mas eles tinham um desespero bonito. Aquele desespero do nao poder tocar mas poder sentir. E a necessidade de sentir ja que nao da para tocar. E isso vinha de todos os lados. Com o tempo isso foi minguando e, como eh natural, apenas as pessoas que realmente importam permanecem em contato constante, quase diario. Mas agora eh que eu percebi que nao sao soh as pessoas que importam que sao importantes. As superfluas tambem sao fundamentais. Ou para onde vou olhar quando muito disso aqui nao fizer mais sentido? Para o superfluo. Muito do que eu lembro eh superfluo.

Aiai. Ta foda. Hoje eh sexta-feira e nao tenho perspectivas de fazer nada alem de ir para casa e ler e escrever muito, muito. Aquela loucura de se encharcar de suor. Palavras suadas. Mas agora estou no trabalho e tenho que segurar, segurar, segurar.

Outro dia eu volto.

o eterno retorno

KKK

01.12.2004 Escolas separadas serão providenciadas para crianças brancas e de cor, e nenhuma criança de qualquer cor poderá freqüentar uma escola destinada à outra raça.

O artigo faz parte da Constituição do Alabama. É meramente simbólico, já que faz 50 anos que é Washington considerou a segregação inconstitucional em todo o país.

Agora em novembro, foi promovido um plebiscito para abolir este e outros trechos que remetiam ao passado racista.

O povo de Alabama votou para manter o texto como está. Foi quase empate, por um fio que não foram tirados os parágrafos. Mas ficou tudo igual. via Meme first.

Peguei a noticia no weblog do no minimo.

Afinal, Nietzsche estava correto.